Cooperativistas paraibanos solicitam ao MAPA normativo para ovos e frangos caipiras



André Pacelli e Wendell Lima entregam documento à ministra da Agricultura - Foto: Sistema OCB

Dirigentes cooperativistas da Paraíba participaram, ontem, de reunião da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), que contou com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. O evento aconteceu na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), em Brasília. O presidente do Sistema OCB/PB, André Pacelli, e o diretor comercial da Cooperativa de Avicultura e Agricultura Familiar (Copaf), Wendell Lima, entregaram à ministra um documento solicitando a regulamentação da comercialização de ovos e frangos caipiras. 

Segundo Lima, existe um normativo da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) sobre o tema, mas a ausência de uma norma governamental enfraquece a fiscalização dos produtos, prejudicando consumidores e produtores. “Falta um normativo que defina como devem ser produzidos os ovos e frangos para receberem a denominação de caipira, colonial ou capoeira no rótulo. Nós queremos um instrumento legal do MAPA para fortalecer a fiscalização dos clandestinos, que produzem frango e ovo de granja vermelho, dizendo que é caipira sem ser”, afirmou.

Ele acredita que, com este instrumento, os órgãos de fiscalização teriam mais poderes e ferramentas para atuar. “Tanto os serviços de inspeção na homologação do registro destes produtos, como também os órgãos de vigilância sanitária, que poderiam identificar na gôndola se esses produtos atendem às normas. Hoje tem muita gente consumindo ovo industrial, pensando que é caipira. É uma infração e um estelionato com os consumidores”, frisou.

A medida também valorizaria os produtos e o trabalho dos avicultores que se enquadram nos critérios para produção de frangos e ovos caipiras. As galinhas que produzem ovos caipiras têm manejo diferenciado, seus ovos têm mais qualidade e são mais nutritivos que os de granja. O diretor da Copaf informou que a ministra recebeu documento e disse que sua equipe dará prosseguimento à demanda.

 

Selo Combustível Social

Durante a reunião, a ministra Tereza Cristina falou sobre o novo Selo Combustível Social deve beneficiar cerca de 40 mil agricultores familiares. O decreto do selo deve ser assinado pelo presidente da República em 10 dias. A ideia é que as cooperativas não detentoras de DAP Jurídica possam comercializar a produção de matérias-primas do biodiesel, tanto as de origem vegetal como animal.

Além da ministra, reunião da Frencoop contou com a participação do secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do ministério, Fernando Schawnke, e de representantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA). 

Com informações do Portal Somos Cooperativismo


Comentários

Comentar

7084
Fale com o Sistema OCB/PB