Sescoop/PB promove tarde de celebração na Rede Feminina de Combate ao Câncer



Uma tarde para celebrar a vida e a esperança. Assim foi a ação alusiva à campanha Outubro Rosa, promovida pelo Sescoop/PB, na casa de apoio da Rede Feminina de Combate ao Câncer, na última quarta-feira (24). Localizada no bairro de Jaguaribe, a casa acolhe 40 pessoas, entre homens e mulheres, que vêm de cidades do interior e passam a semana em tratamento no Hospital Napoleão Laureano.

A iniciativa da área de Promoção Social do Sescoop/PB foi organizada pelas colaboradoras Josilma Oliveira, Thamyris Lima e da estagiária Izabela Gomes na decoração do ambiente e organização do lanche dos pacientes. O evento contou, inclusive, com apresentação de voz e violão da contadora da entidade, Djane Almeida Queiroz, que animou e levou mensagens de fé aos pacientes.

A diretora da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Márcia Concília de Vasconcelos Serpa, elogiou a iniciativa e falou sobre a importância dos parceiros conhecerem in loco o trabalho da entidade. “O que a gente mais preza é pela transparência do nosso trabalho. Por ser um trabalho filantrópico, por ser uma organização não governamental, a gente vive angariando parceiros. A gente tem um trabalho transparente e a nossa casa é aberta a quem quiser chegar para conhecer. A gente agradece demais a parceria de vocês. A nossa casa está sempre aberta”, afirmou.

A gerente administrativa Carla Bezerra explicou como é o funcionamento da entidade, que só recebe pacientes encaminhados pelo Hospital Napoleão Laureano. “A Casa existe para acolher os pacientes do interior do estado que não têm parente na cidade. Recebemos gente de todos os municípios da Paraíba e eles ficam conosco enquanto durar o tratamento. Além de acolher estes pacientes, distribuímos todas as manhãs mais de 500 cafés da manhã no Hospital Napoleão Laureano porque o hospital só oferece alimento para os pacientes internos”, comentou. A RFCC conta com aproximadamente 220 voluntários e oito funcionários.

Pacientes contam histórias de fé e esperança

“Nós somos importantes, somos gente que brilha”, cantarola Jandira Onofre. Ela acompanha sua irmã Maria José, que vem semanalmente de Soledade para realizar tratamento no Hospital Napoleão Laureano. “Eu fico me revezando com as filhas dela. É a primeira vez que venho a essa casa e estou achando aqui o nosso hotel cinco estrelas. Aqui tem amor, família, carinho, união... Eu só tenho a agradecer”, conta.

A Rede Feminina de Combate ao Câncer existe há 57 anos. A casa de apoio já está em atividade há cerca de 14 anos. A rotina de tratamentos dos pacientes de câncer é muitas vezes exaustiva, mas o encorajamento que eles encontram na casa os ajuda a continuar lutando contra a doença. Entre os pacientes está Epitácio Carneiro de Araújo Filho. Morador do município de Solânea, ele vem a João Pessoa e fica na capital, de segunda a sexta-feira, para tratar um linfoma.

“Já vai completar um ano que venho fazendo tratamento no Napoleão Laureano e fico acolhido nessa casa. Agradeço primeiramente a Deus e, em segundo, as essas pessoas que tem um grande amor pela gente, que tratam a gente muito bem. Muitas vezes, nós somos mais acolhidos aqui do que na nossa própria família. Isso faz a gente levantar a cabeça e seguir em frente. Só estar vivo já é um grande motivo para celebrar. A gente não deve baixar nossa cabeça. Deus é que está no comando de tudo. A gente tem que segurar a barra mesmo e não perder nossas forças”, afirmou.

Recém-chegado à casa, José Barbosa é um exemplo de fé e otimismo. “Há um ano fiquei deficiente visual. Fomos de férias para o Rio e quando saí do aeroporto, perdi a visão. Quando voltamos, fui a um oftalmologista, que descobriu um tumor com sete centímetros. Fui cirurgiado. Todos os médicos se espantam porque não era nem para eu estar vivo. Eles falam que eu sou um milagre. Não tenho sequela do tumor. Continuo enxergando, pela medicina eu não sou capaz de ver mais nada, mas eu estou lhe vendo. O que faz segurar é a fé. O ser humano vive de sonhos. Ninguém vive sem sonhos, sem esperanças.”, contou.

Sobre o atendimento na casa de apoio, ele é objetivo: “o que eu posso dizer é que aqui é tudo perfeito. O acolhimento é ótimo. A gente se acha importante quando o pessoal nos dá força e apoio. Agradecemos por estar vivos, bem e agradecemos a vocês que vêm nos visitar”, finalizou.

Doações

Os interessados em realizar doações para a Rede Feminina de Combate ao Câncer devem entrar em contato, através do telefone (83)3241-5373. Segundo a gerente Carla Bezerra, todas as doações são bem vindas, especialmente, as de material de higiene pessoal (sabonete, shampoo, desodorante, absorvente, barbeador, etc) e de material de limpeza.


Comentários

Comentar

7301
Fale com o Sistema OCB/PB